Onde nascem os grandes pilotos do automobilismo mundial

Criada após II Guerra Mundial, na Europa de 1950, a Fórmula 3 nasceu como uma forma de entretenimento e, talvez por isso, tenha sido considerada durante muito tempo uma categoria inferior do automobilismo, com condutores jovens  e com fome de velocidade em seus carros baratos.

Hoje, e já há algum tempo, é considerada uma categoria de base e também de passagem obrigatória para qualquer piloto que queira deixar sua marca no mundo das corridas nas categorias mais competitivas, como a Fórmula 1, por exemplo. Hoje a F3 está dividida por continentes da seguinte maneira: F3 Euro, a F3 Sul-americana e a Asian F3 Pacific Series.

A América do Sul teve sua 1ª corrida em 1987 – supervisionada pela Confederação Sul-Americana de Automobilismo (Codasur) e da Confederaçao Brasileira de Automobilismo (CBA), no Autódromo de Cascavel, no Oeste do Paraná.

Desde a sua criação, já revelou grandes nomes do automobilismo mundial e nacional, como Rubens Barrichello, Hélio Castroneves, Christian Fittipaldi, Gabriel Furlán, Cristiano da Matta, Vitor Meira, Nelsinho Piquet, entre outros.

A Fórmula 3 é reconhecida pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA)  e é considerada por muitos pilotos uma porta de entrada para a Fórmula 1. Isso porque o campeão de cada temporada fica habilitado a competir na famosa categoria e os outros cinco melhores colocados podem passar a competir na Fórmula 3000 Internacional, mais conhecida como Fórmula-1 Júnior.

O regulamento técnico e esportivo é o mesmo que a FIA estabelece para todas as categorias de Fórmula 3 disputadas nos demais países do mundo.

Foto: Jornale

Tags: , , , , , Categoria: Automobilismo

Comentários Facebook

3 Respostas para Onde nascem os grandes pilotos do automobilismo mundial

  1. Pingback: 25 anos do primeiro título mundial de Senna - Blog do AICBlog do Autódromo Internacional de Curitiba – BLog do AIC

  2. Pingback: Calendário Stock Car 2014 - Blog do AICBlog do Autódromo Internacional de Curitiba – BLog do AIC

  3. Pingback: 24 Horas de Le Mans: história e velocidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *